Brasil: Ecossistemas Brasileiros
por Vera Imperatriz Fonseca e Francis Dov Por

O Brasil, ocupando um território de 8,5 milhões de km2 e situado em região tropical, é constituído por ambientes diversos, produtos da história geológica e da influência humana recente. Esses ambientes correspondem em princípio às províncias fitogeográficas descritas no início do século XIX por Carl F. P. von Martius, botânico que iniciou também a monumental Flora Brasiliensis. Os padrões sofreram alterações pela ação humana, mas são aceitos até hoje, quando modernas técnicas de sensoriamento remoto monitoram o meio físico brasileiro.

As várias regiões botânicas do Brasil foram chamadas pelo nome atribuído a elas pelos indígenas, pelos portugueses e pelos primeiros naturalistas. A Floresta Amazônica – a Hiléia do naturalista alemão von Humboldt, abrange os estados do Pará, Amazonas, Amapá, Acre, Rondônia e Roraima e está presente também em países vizinhos: Guianas, Suriname, Venezuela, Equador, Peru e Bolívia. No Brasil, ocupa aproximadamente 3,5 milhões de km2.

A bacia amazônica é formada por inúmeros rios de grande tamanho, carregando águas barrentas, águas pretas ou águas claras. Conhecida como abrigo da maior biodiversidade do mundo, a Floresta Amazônica é formada basicamente por matas de terra firme, que se encontram fora da influência direta dos rios, sem sofrer inundações; matas de várzea, alagadas pelos rios de água barrenta na estação das cheias; e matas de igapós, inundadas quase permanentemente por rios de água preta. Manchas de cerrado existem entre as florestas, assim como clareiras de vegetação pobre e campinas ou campinaras sobre as manchas de areias.

Milhares de espécies de peixes endêmicos são ligados à rede fluvial amazônica e atuam na reprodução das plantas que margeiam os rios. O endemismo amazônico é mundialmente conhecido e é especialmente rico em primatas, aves, abelhas, borboletas, peixes e outros animais. Destacam-se, entre outros, o sagüi-leãozinho, o menor primata do mundo, a preguiça real, a cotia preta, a pacarana, o peixe-boi, o boto cor de rosa, o uirapuru verdadeiro e o galo da serra.

Cerca de 40% do território brasileiro é formado pela Amazônia. O processo de colonização desta vasta região necessita de uma política apropriada de manejo sustentável, inclusive para evitar um dos seus grandes e atuais problemas, que é o das queimadas. Atualmente monitoradas todos os dias e sob constante vigilância, estas constituem-se em um dos problemas decorrentes do processo de colonização da parte sul da Amazônia e da necessidade do estabelecimento de uma política do uso do solo.

A seguir temos os cerrados, vegetação de savana, que já ocupou 25% do território brasileiro, no Centro-oeste do País e nos estados de Minas Gerais, Goiás, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul e parte dos estados de São Paulo, Paraná, Maranhão e Piauí. O cerrado aparece em locais com solos profundos, pouco estratificados, lixiviados e pobres em resíduos orgânicos, geralmente do tipo latossolo. Uma estação seca de três a sete meses traz marcas à região, provocando o desaparecimento da vegetação herbácea, a queda de folhas dos arbustos de troncos tortuosos e cascas grossas. Uma das árvores do cerrado, o ipê (Tabebuia ochracea), foi declarada a árvore símbolo do Brasil.

Os rios de cerrado geralmente não secam, mantendo ao seu redor uma mata ciliar. O lençol subterrâneo passa a 15-20 metros de profundidade ou até mais. Atualmente, o cerrado tem sido utilizado para a agricultura de soja, com bastante sucesso, após melhorias em suas condições químicas. Sendo uma região aberta, tem uma fauna típica de mamíferos herbívoros, aves de chão e muitos répteis. O manejo do cerrado inclui o uso do fogo, e a vegetação é adaptada à sua passagem. Em um cerrado bem preservado as árvores atingem altura de 8 a 10 metros. Cerca de 2 milhões de km2 do território brasileiro são ocupados por cerrados. Devido ao sistema subterrâneo de suas plantas, ele se recompõe rapidamente após as freqüentes queimadas.

Encravado entre o cerrado e o chaco boliviano está o Pantanal, formado por enchentes dos rios da bacia do rio Paraguai. Trata-se de uma das áreas de maior potencial turístico do Brasil e da maior área alagável do mundo. Ocupa uma grande extensão, com cerca de 150 mil km2, na maior parte no Estado do Mato Grosso do Sul. São as riquíssimas populações de peixes, de aves e de mamíferos que caracterizam o Pantanal: os tuiuiús, as emas, as capivaras, as ariranhas, as onças etc. Entre os répteis destacam-se os jacarés e as sucuris.

A caatinga ou o sertão brasileiro é uma região semi-árida, muito seca, compreendendo parte dos estados da Bahia, Alagoas, Sergipe, Pernambuco, Paraíba, Rio Grande do Norte, Ceará, Piauí e Maranhão. Ocupa cerca de 700 mil km2. O regime anual de chuvas na caatinga é imprevisível. Portanto é uma região muito adaptada à vida em condições de baixa umidade, com uma vegetação xerofítica típica. A caatinga sofreu grande devastação no passado, devido inclusive ao uso de lenha como combustível e à ausência de replantio. Os solos são freqüentemente rasos e muito pedregosos.

O ambiente de maior biodiversidade no Brasil e que se encontra sob a maior ameaça é a Mata Atlântica. Ocupando hoje cerca de 5% da área original, estimada em 1,5 milhões de km2, acompanha de perto o litoral brasileiro, do Rio Grande do Norte até o início de Rio Grande do Sul. Foi o primeiro ambiente a ser usado pelos colonizadores portugueses. O nome do país, Brasil, vem de uma árvore, o pau brasil (Cesalpinia echinata), explorada pelos indígenas e pelos colonizadores para extração de um pigmento vermelho.

Esta mata ainda pode ser larga em certos trechos, nos estados do Paraná e de Santa Catarina. Em outros locais ocupa principalmente a estreita faixa da escarpa atlântica, formada de rochas cristalinas. A Mata Atlântica é uma floresta pluvial montana, ocupando principalmente montanhas com altitudes de 800 a 1700 metros. Sofre a influência dos ventos marinhos, os alísios, que ao subirem a encosta da serra se resfriam, condensando-se e provocando a neblina da Serra do Mar. Chove então cerca de 2000mm por ano nesta serra; em algumas regiões, como em Boracéia (Estado de São Paulo), até 4000mm por ano. A umidade destas áreas vai depender da distância entre elas e o mar. Em algumas o frio noturno é considerável. Na Mata Atlântica, as temperaturas médias variam de 14° C a 21° C; a mínima absoluta, no Sul do País, pode chegar a -6° C. Temperaturas mais altas chegam a 35° C.

A grande umidade possibilita uma rica flora de musgos e samambaias, além de inúmeras epífitas, tais como orquídeas e bromélias. Algumas árvores, como o jequitibá rosa, chegam a 40 metros de altura. Palmeiras são comuns, destacando-se entre elas o palmito. As áreas mais altas apresentam os campos de altitude. Entre 300 e 800 metros de altitude há outro tipo de floresta, com árvores mais baixas, até 25 metros.

A rica fauna endêmica é caracterizada principalmente por borboletas multicolores, por sapos e pererecas, muitas espécies de aves e mamíferos silvestres. O muriqui (Brachyteles arachnoides), um gênero endêmico de primatas, é o maior macaco do continente. Há espécies de abelhas nativas importantes para a polinização do dossel, como a gurupu (Melipona bicolor).

Enquanto os vários tipos de lavouras e a indústria carvoeira causam a destruição da Mata Atlântica, as culturas do cacau aproveitam-se da cobertura vegetal. Atualmente em grave crise econômica e fitossanitária, esta lavoura está sendo alvo de programas conservacionistas que visam diminuir a destruição das matas para a venda de madeiras, promovida pelos fazendeiros em dificuldades financeiras. Uma Reserva da Biosfera da Unesco, recém-estabelecida, abrange áreas de alto grau de preservação da Mata Atlântica.

A mata de araucárias, floresta subtropical do Sul do País, já ocupou cerca de 15% do território brasileiro. Hoje está muito devastada, por se encontrar em área de grande desenvolvimento agrícola e industrial. O pinheiro Araucaria, a espécie caraterística, sofreu muito com os cortes pela indústria madeireira. Ainda ocorrem amostras da floresta com Araucaria nos estados de São Paulo, Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul. Muitas espécies desta floresta, tais como a samambaia xaxim, a gralha azul ou a jacutinga, chegaram hoje à beira da extinção. Os pinheiros ocorrem também em mosaico com a vegetação atlântica semi-decídua, nas áreas de transição.

No interior brasileiro, e tipicamente em rochas, existem muitas cavernas, ricas em formações geológicas e que abrigam uma interessante fauna de peixes e crustáceos cegos.

Outro importante ambiente é o manguezal, floresta de entremarés formada por poucas espécies de árvores, mas que tem um papel fundamental como fonte de alimentos para a fauna marinha. O Brasil é especialmente rico em manguezais, já monitorados por satélites. Ao lado destes, nos solos de aluviões arenosos, há freqüentemente uma vegetação de restinga, mata de baixo porte e arbustiva que ocupa terrenos arenosos.

Ocupando áreas territoriais menos expressivas mas ecologicamente relevantes, temos os campos rupestres, os cocais do Norte, os campos do Rio Grande do Sul, as praias arenosas e rochosas, entre outros ambientes que caracterizam e enriquecem o Brasil. Os arrecifes de Abrolhos, pequena área de arrecifes de corais, tem a maior taxa de espécies endêmicas de corais e de fauna marinha associada.

—–
+ Veja também: