Por US$ 5,6 bi, dono da Fox compra Dow Jones e The Wall Street Journal

Um negócio de US$ 5,6 bilhões confirmado nesta quarta-feira mudará o cenário da mídia norte-americana.

Um dos mais prestigiados jornais do setor financeiro, “The Wall Street Journal” (WSJ), passará a ser controlado pelo empresário Rupert Murdoch, que já possui mais de cem publicações impressas no mundo, além da rede de TV Fox, dos estúdios de cinema 20th Century Fox e do site de relacionamento MySpace, entre outros ativos na área de comunicações.

A News Corp, conglomerado que reúne as empresas de Murdoch, pagará os US$ 5,6 bilhões por todo o grupo Dow Jones, que, além do WSJ, inclui outros veículos de comunicação na área de finanças.

O negócio dará força para um outro empreendimento de Murdoch, o novo canal de televisão a cabo sobre economia, o Fox Business Network, com lançamento previsto para 15 de outubro.

O organismo que regula a concorrência nos Estados Unidos ainda previsa aprovar a operação. No entanto, Murdoch já afirmou que não acredita que este ponto representará um problema. O WSJ destacou que o acordo estará totalmente concluído antes do fim de 2007.

Tradição de 105 anos

A operação colocará fim a uma tradição de 105 anos, uma vez que uma mesma família, os Bancroft, controla o grupo Dow Jones desde 1902 e é conhecida por não interferir no conteúdo noticioso. O negócio dividiu os 33 membros da família e gerou polêmica no meio jornalístico.

O IAPE – sindicato que reúne a maior parte dos repórteres do Dow Jones e alguns jornalistas do Wall Street Journal – foi radicalmente contrário ao acordo, por temer o uso do jornal para defender interesses comerciais de Murdoch.

“É triste ver o fim da tradição de 105 anos de uma família na proteção da independência da Dow Jones como um bem público”, afirmou o ex-membro do conselho da Dow Jones Jim Ottaway Jr, cuja família controla 7% das ações votantes da empresa.

Proposta irrecusável

A oferta da News Corp pela Dow Jones foi generosa e atraiu alguns membros da família Bancroft que eram contrários à venda. Eles representam 9,1% dos direitos de voto e fizeram a diferença que faltava para fechar o negócio.

A proposta foi de US$ 60 por ação, valor 65% maior que a cotação do grupo na Bolsa (US$ 36,33) antes de 1º de maio. Os Bancroft possuem 64% dos votos da empresa. Os membros da família que, no final, manifestaram-se favoráveis ao negócio somam 37%, superando a fatia de 27% dos que são contra ou se abstiveram.

Linha editorial

Além da oferta em dinheiro, um acordo sobre a linha editorial das publicações do grupo Dow Jones contribuiu para convencer os Bancroft a aceitarem o negócio. Será criada uma comissão, composta por cinco membros, que vai supervisionar a independência editorial das operações de notícias da Dow Jones.

A comissão incluirá o presidente-executivo aposentado da Associated Press Louis Boccardi, o co-fundador do laboratório de mídia do Instituto de Tecnologia de Massachusetts Nicholas Negroponte, o ex-presidente editorial do Tribune Jack Fuller, a ex-congressista do Estado de Washington Jennifer Dunn e o ex-editor da seção editorial do Detroit News Thomas Bray.

Fonte: France Presse, Reuters e Valor Online

—–
+ Veja também:

Anúncios