O Último Teorema de Fermat - Simon Singh

Imagine uma anotação em uma margem de um livro que diz: “Eu descobri uma demonstração maravilhosa, mas a margem deste papel é muito estreita para contê-la.” Isto de fato aconteceu e a anotação foi escrita no século XVII na margem do livro Aritmética, de Diofante, por Pierre de Fermat, matemático amador e funcionário público que ocupava o cargo de conselheiro na Câmara de Requerimentos em Toulouse, França.
A anotação na margem do livro se referia a demonstração de um problema envolvendo uma pequena expressão matemática que Fermat afirmara ter descoberto.
Em 1963 um garoto de 10 anos de idade chamado Andrew Wiles, fascinado por matemática e enigmas, leu um livro sobre o problema legado por Fermat e decidiu solucioná-lo.
Bem, os eventos seguintes não podem aqui ser relatados, mas O Último Teorema de Fermat desafiou a mente e a determinação dos maiores gênios matemáticos por mais de três séculos e tornou-se o maior enigma matemático de todos os tempos, até mesmo sendo concedido um grande prêmio a quem o descobrisse.

É um história cativante e um dos melhores livros de não-ficção que já li.