Trecho do Livro: A Cientista que Curou seu Próprio Cérebro | Jill Bolte Taylor

Livros A Cientista que Curou seu Proprio Cerebro Jill Bolte Taylor My Stroke of Insight BooksLivro: A Cientista que Curou seu Próprio Cérebro

Todo cérebro tem sua história, e esta é a do meu. Há dez anos eu estava na Harvard Medical School realizando pesquisas e lecionando para jovens profissionais sobre o cérebro humano. Porém, em 10 de dezembro de 1996, eu mesma recebi uma lição. Naquela manhã, sofri uma forma rara de derrame no hemisfério esquerdo do cérebro. Uma hemorragia importante, devido à má-formação congênita dos vasos sanguíneos em minha cabeça, aconteceu inesperadamente. No breve espaço de quatro horas, sob um olhar de curiosa neuroanatomista, vi meu cérebro deteriorar-se por completo em sua capacidade de processar informação. No final daquela manhã, eu não conseguia andar, falar, ler, escrever ou lembrar nenhum dado da minha vida. Encolhida, como se voltasse a ser um feto, senti meu espírito render-se à morte, e é certo que em nenhum momento imaginei que seria capaz de dividir minha história com alguém.

A cientista que curou seu próprio cérebro é uma documentação cronológica da jornada que realizei para o abismo amorfo de uma mente silenciosa, em que a essência de meu ser existia envolvida numa profunda paz interior. Este livro é uma trama composta pelo alinhavo de meu treinamento acadêmico, experiência pessoal e insights. Até onde tenho conhecimento, este é o primeiro relato documentado de uma neuroanatomista que se recuperou por completo de uma severa hemorragia cerebral. Estou eufórica por estas palavras finalmente ganharem o mundo, onde poderão ser bastante úteis.

Mais que tudo, sou grata por estar viva, e comemoro o tempo que tenho aqui. Inicialmente, fui motivada a enfrentar a agonia da recuperação graças a muita gente bonita que me estendeu as mãos e me ofereceu amor incondicional.

Ao longo dos anos, mantive-me fiel a esse projeto devido à jovem que me procurou movida pelo desespero, querendo entender por que a mãe dela, que morrera vítima de um derrame, não havia ligado para a emergência. Também por causa do cavalheiro idoso, que estava sobrecarregado pela apreensão de que a esposa houvesse sofrido muito durante o coma antes de sua morte. Fui praticamente mantida presa ao computador (com meu fiel cachorro Nia no colo) devido a muitos indivíduos que cuidavam de seus doentes e me procuravam em busca de orientação e esperança. Persisti nesse trabalho pelas 700 mil pessoas da nossa sociedade (e suas famílias) que ainda sofrerão um derrame. Se uma única pessoa ler “Manhã do derrame”, reconhecer os sintomas e pedir ajuda — antes tarde do que nunca —, então meu esforço estará mais do que recompensado.

A cientista que curou seu próprio cérebro tem quatro divisões naturais. A primeira parte, “A vida de Jill antes do derrame”, apresenta ao leitor quem eu era antes de meu cérebro ficar “desconectado”. Descrevo por que me tornei neurocientista, um pouco da minha jornada acadêmica, meus interesses por Direito e minha jornada pessoal. Eu vivia de maneira grandiosa. Era neurocientista em Harvard, integrava o comitê nacional da Nami (National Alliance on Mental Illness — Aliança Nacional de Doenças Mentais) e viajava pelo país como a cientista cantora. Relato essa breve sinopse pessoal em termos científicos simples, cujo propósito é ajudar o leitor a entender o que ocorria biologicamente no meu cérebro na manhã do derrame.

Se você já se perguntou qual deve ser a sensação de ter um derrame, então o capítulo “Manhã do derrame” é para você. Nele, conduzo o leitor numa jornada muito incomum pelo passo-a-passo da deterioração das minhas habilidades cognitivas, sob o olhar de um cientista. Na medida em que a hemorragia em meu cérebro vai se tornando cada vez maior, relaciono os déficits cognitivos que estava experimentando à biologia subjacente. Como neuroanatomista, devo dizer que aprendi muito durante aquele derrame sobre meu cérebro e como ele funciona, tanto quanto havia aprendido em todos os meus anos acadêmicos. No final daquela manhã, minha consciência em estado alterado percebeu que eu estava unificada ao Universo. Desde aquele momento, passei a entender como somos capazes de ter uma experiência “mística” ou “metafísica” em relação à anatomia cerebral.

Se você conhece alguém que sofreu um derrame ou algum outro tipo de trauma cerebral, os capítulos sobre recuperação podem ser um recurso valioso. Neles, compartilho a jornada cronológica da minha recuperação, incluindo mais de 50 dicas sobre coisas de que eu precisava (ou não precisava) para recuperar-me completamente. Minhas “Recomendações para recuperação” estão relacionadas no Apêndice para sua conveniência. Espero que compartilhem essa informação com quem dela puder se beneficiar.

Finalmente, “Meu derrame de sabedoria” define o que o derrame me ensinou sobre meu cérebro. Nesse ponto, você vai perceber que este livro não é realmente sobre derrame. Mais precisamente, o derrame foi o evento traumático pelo qual me chegou o conhecimento. Este livro é sobre a beleza e a resistência do cérebro humano graças a sua capacidade inata de se adaptar constantemente à mudança e recuperar suas funções. Em última análise, é sobre a jornada do meu cérebro a caminho da consciência do meu hemisfério direito, onde me vi envolvida numa profunda paz interior. Ressuscitei a consciência do meu hemisfério esquerdo com a finalidade de ajudar outras pessoas a alcançar aquela mesma paz interior — sem precisar sofrer um derrame!

Espero que apreciem a jornada.

A Vida de Jill Antes do Derrame

Sou uma neuroanatomista experiente e tenho vários artigos publicados. Cresci em Terre Haute, Indiana. Um de meus irmãos, que é só 18 meses mais velho que eu, é portador de uma desordem mental chamada esquizofrenia. Ele recebeu o diagnóstico oficial aos 31 anos, mas exibiu sinais óbvios da psicose muitos anos antes disso. Durante nossa infância, ele era muito diferente de mim no modo como experimentava a realidade e se comportava. O resultado é que fiquei fascinada pelo cérebro humano ainda muito jovem. Eu me perguntava como era possível que meu irmão e eu vivêssemos a mesma experiência, mas saíssemos da situação com interpretações completamente diferentes sobre o que havia acontecido. Essa diferença na percepção, no processamento de informação e no resultado final me motivou a ser uma cientista do cérebro.

Minha jornada acadêmica começou na Indiana University, em Bloomington, Indiana, no final da década de 1970. Por causa da interação com meu irmão, eu estava ávida por entender o que era o “normal” em nível neurológico. Naquele tempo, o assunto da neurociência era ainda tão novo que não existia nenhum campus da universidade como área formal de especialização. Estudando psicologia fisiológica e biologia humana, aprendi tanto quanto possível sobre o cérebro humano.

Meu primeiro trabalho de verdade no mundo da ciência médica acabou se tornando uma enorme bênção em minha vida. Fui contratada como técnica de laboratório no Terre Haute Center for Medical Education (THCME), que é um braço da escola de medicina da Indiana University e funciona no campus da Indiana State University (ISU). Meu tempo era igualmente dividido entre o laboratório médico de anatomia humana e o laboratório de pesquisa em neuroanatomia. Por dois anos, vivi mergulhada no estudo da medicina e, tendo por mentor o Dr. Robert C. Murphy, apaixonei-me pela dissecação do corpo humano.

Depois da graduação como mestre, passei os seis anos seguintes envolvida oficialmente no programa de doutorado do Departamento de Ciência da Vida da ISU. Minha carga horária era consumida pelo currículo do primeiro ano da faculdade de medicina e pela especialização em neuroanatomia, sob a orientação do Dr. William J. Anderson. Em 1991, tornei-me doutora e me senti competente para lecionar Anatomia Geral Humana, Neuroanatomia Humana e Histologia no nível de graduação em medicina.

Em 1988, durante meu período no THCME e na ISU, meu irmão recebeu o diagnóstico oficial de esquizofrenia. Biologicamente, ele é o ser mais próximo de mim no Universo. Eu queria entender por que eu conseguia conectar meus sonhos à realidade e torná-los verdadeiros. O que havia de tão diferente no cérebro de meu irmão que ele não conseguia conectar os seus com uma realidade comum, de maneira que eles se tornavam, então, ilusões? Estava ansiosa para me dedicar à pesquisa em esquizofrenia.

Depois do começo na ISU, fui convidada a ocupar uma posição em pesquisa de pós-doutorado na Harvard Medical School, no Departamento de Neurociência. Passei dois anos trabalhando com o Dr. Roger Tootell sobre a localização da área MT, que se localiza na parte do córtex visual do cérebro que acompanha o movimento. Interessei-me por esse projeto porque uma elevada porcentagem de indivíduos com diagnóstico de esquizofrenia exibia comportamento ocular anormal quando observava objetos em movimento. Depois de ajudar Roger a identificar anatomicamente a área MT no cérebro humano, segui meu coração e me transferi para o Departamento de Psiquiatria da Harvard Medical School. Meu objetivo era trabalhar no laboratório da Dra. Francine M. Benes no McLean Hospital. A Dra. Benes é uma especialista mundialmente renomada na investigação pós-morte do cérebro humano em relação à esquizofrenia. Eu acreditava que por esse caminho poderia dar minha contribuição e ajudar as pessoas portadoras da mesma desordem mental de que sofria meu irmão.

Uma semana antes de começar em minha nova posição no McLean Hospital, meu pai, Hal, e eu fomos a Miami a fim de participar da conferência anual de 1993 da Nami. Hal, ministro episcopal aposentado com um doutorado em aconselhamento psicológico, sempre defendera a causa da justiça social. Nós dois queríamos participar daquela convenção para aprender mais sobre a Nami e o que poderíamos fazer para unir nossa energia à deles. A Nami é a maior organização civil dedicada a melhorar a vida de pessoas portadoras de sérias enfermidades mentais. Naquela época, a Nami tinha aproximadamente 40 mil famílias associadas, todas com um membro que havia recebido algum tipo de diagnóstico psiquiátrico. Agora a Nami tem um número de aproximadamente 220 mil famílias associadas. A organização nacional Nami age em nível de estado. Além disso, há mais de 1.100 afiliadas locais da Nami espalhadas pelo país que oferecem apoio e educação, e promovem oportunidades para famílias no âmbito da comunidade.

A viagem para Miami mudou minha vida. Um grupo de cerca de 1.500 pessoas, entre elas pais, irmãos, filhos e indivíduos com diagnóstico de severa doença mental, reuniu-se em busca de apoio, educação e representação, e para abordar assuntos relacionados à pesquisa. Até conhecer outros irmãos de indivíduos portadores de doença mental, não havia percebido o profundo impacto que a enfermidade de meu irmão tivera em minha vida. Ao longo daqueles poucos dias, conheci uma família de pessoas que entendiam a angústia que eu sentia por perder meu irmão para sua esquizofrenia. Elas entendiam o esforço da minha família para ajudá-lo a ter acesso a tratamento de qualidade. Lutavam juntas como uma voz organizada contra a injustiça social e o estigma relacionado à doença mental. Tinham como armas programas educacionais para eles mesmos, bem como para o público, sobre a natureza biológica dessas desordens. Também muito importante, aliavam-se aos pesquisadores para ajudar a encontrar uma cura. Tive a sensação de estar no lugar certo na hora certa. Era uma irmã, uma cientista e apaixonada pela idéia de ajudar pessoas como meu irmão. Sentia que havia encontrado não só uma causa digna do meu esforço, mas também uma grande família.

Na semana seguinte à convenção de Miami, cheguei ao McLean Hospital cheia de energia e ansiosa para começar meu novo trabalho no Laboratório para Neurociência Estrutural, domínio da pesquisa da Dra. Francine Benes. Estava eufórica e entusiasmada para começar as investigações pós-morte para as bases biológicas da esquizofrenia. Francine, a quem eu chamava carinhosamente de Rainha da Esquizofrenia, é uma fabulosa cientista pesquisadora. O simples fato de observar como ela pensava, como explorava e como reunia tudo que aprendia com os dados colhidos era um completo fascínio para mim. Era um privilégio testemunhar sua criatividade em projeto experimental e a persistência, precisão e eficiência com que administrava um laboratório de pesquisa. Aquele trabalho era um sonho que se realizava. Estudar o cérebro de indivíduos diagnosticados com esquizofrenia me dava uma sensação de propósito.

No primeiro dia do meu novo trabalho, porém, Francine causou-me o primeiro desapontamento ao revelar que a pouca freqüência de doações de cérebros de famílias cujos indivíduos tinham doença mental provocara em longo prazo uma ampla carência de tecidos para investigação pós-morte. Eu não conseguia acreditar no que estava ouvindo. Havia passado a maior parte da semana anterior na Nami Nacional com centenas de outras famílias cujos indivíduos que a ela pertenciam tinham diagnóstico de severa doença mental. O Dr. Lew Judd, ex-diretor do National Institute of Mental Health, havia moderado o plenário de pesquisa, e vários cientistas de renome tinham apresentado seus trabalhos. As famílias que integram a Nami gostam de divulgar o que sabem e aprender mais sobre a pesquisa neurológica, por isso eu considerava surpreendente que pudesse haver falta de doação de tecido. Decidi que a questão era só de divulgação. Precisávamos despertar a consciência pública. Acreditava que, assim que soubessem que havia carência de tecido para pesquisa, as famílias da Nami promoveriam doações dentro da organização e resolveriam o dilema.

No ano seguinte (1994), fui eleita para o Conselho de Diretores da Nami Nacional. Foi uma grande alegria poder servir àquela maravilhosa organização, uma grande honra e responsabilidade. É claro, a base da minha plataforma era a valorização da doação cerebral mediante a carência de tecido psiquiatricamente diagnosticado para a realização de pesquisa científica. Chamei o problema de Questão de Tecido. Na época, a idade média de um membro da Nami era de 67 anos. Eu tinha apenas 35. Sentia-me orgulhosa por ser a mais jovem eleita para aquele conselho. Tinha muita energia e estava ansiosa para começar.

Com minha nova posição dentro da organização Nami Nacional, passei imediatamente a determinar a política de ação dentro das convenções anuais das Nami Estaduais em todo o país. Antes de começar essa empreitada, o Harvard Brain Tissue Resource Center (Banco de Cérebro), o banco de tecido cerebral que ficava localizado à esquerda do Laboratório Benes, recebia menos de três cérebros por ano de indivíduos psiquiatricamente diagnosticados. Essa quantidade de tecido mal era suficiente para a realização do trabalho no laboratório de Francine, e o Banco de Cérebro não dispunha de material bastante para doar a outros renomados laboratórios que o solicitavam. Poucos meses depois do início do meu trabalho, que incluía viagens e programas educativos para informar as famílias da Nami sobre a Questão do Tecido, o número de doações de cérebro começou a crescer. Atualmente, o número de doações da população psiquiatricamente diagnosticada varia entre 25 e 35 doações anuais. A comunidade científica daria boa utilidade a cem doações anuais.

Percebi que no início das minhas apresentações sobre a Questão do Tecido, o assunto da doação de cérebro fazia alguns membros da platéia reagir com desconforto. Havia aquele momento previsível em que o público deduzia: “Oh, meu Deus, ela quer o meu cérebro!” E eu lhe dizia: “Bem, sim, eu quero, mas não se preocupem, não estou com pressa!” Para combater a evidente apreensão, escrevi um jingle para o Banco de Cérebro e comecei a viajar com meu violão como a cientista cantora. Quando me aproximava do assunto da doação de cérebro e a tensão na sala começava a crescer, pegava o violão e cantava para os que me ouviam. O jingle do Banco de Cérebro parecia ser suficientemente ingênuo para amenizar a tensão, enternecer corações e abrir caminho para que eu comunicasse minha mensagem.

Meus esforços com a Nami deram profundo significado à minha vida, e meu trabalho no laboratório floresceu. Meu projeto primário de pesquisa no laboratório Benes envolvia agir em conjunto com Francine para a criação de um protocolo no qual pudéssemos visualizar três sistemas neurotransmissores na mesma fração de tecido. Neurotransmissores são as substâncias químicas com as quais as células do cérebro se comunicam. Esse trabalho foi importante, uma vez que os mais novos medicamentos antipsicóticos atípicos são formulados para influenciar múltiplos sistemas neurotransmissores, em vez de somente um.

Nossa habilidade de visualizar três diferentes sistemas na mesma fração de tecido elevava a capacidade de entendermos a delicada interação dos sistemas. O objetivo era entender melhor o microcircuito do cérebro — que células em que áreas do cérebro se comunicavam com que substâncias químicas e em que quantidade dessas substâncias. Quanto melhor entendêssemos quais eram as diferenças, em âmbito celular, entre o cérebro de indivíduos com diagnóstico de severa enfermidade mental e controles cerebrais normais, mais próxima a comunidade médica estaria de ajudar os necessitados com medicação apropriada. Na primavera de 1995, esse trabalho foi matéria de capa do BioTechniques Journal, e em 1996 ele me rendeu o prestigiado Mysell Award, um prêmio do Departamento de Psiquiatria da Harvard Medical School. Eu adorava trabalhar no laboratório e amava dividir esse trabalho com minha família Nami.

E, então, o imponderável aconteceu. Estava com trinta e poucos anos, prosperando nos campos profissional e pessoal. Mas, numa descida vertiginosa, meu futuro promissor e minha vida cor-de-rosa evaporaram. Acordei no dia 10 de dezembro de 1996 para descobrir que eu mesma era portadora de uma desordem cerebral. Sofria um derrame. Em quatro horas, vi a deterioração da capacidade de minha mente em processar todos os estímulos que penetravam pelos sentidos. Essa rara forma de hemorragia deixou-me completamente incapacitada, de forma que não podia andar, falar, ler, escrever ou lembrar aspectos de minha vida.

Compreendo que o leitor deve estar ansioso para começar a ler o relato pessoal da manhã do derrame. Porém, para que seja possível entender de maneira mais clara o que ocorria no interior do meu cérebro, decidi apresentar um pouco de ciência simples nos capítulos 19 e 20. Fiz o possível para torná-los acessíveis e úteis, para que você possa entender a anatomia que dá suporte às minhas experiências cognitiva, física e espiritual. Se for absolutamente indispensável que você leia esses capítulos depois, então tenha certeza de que estarão à mão como fonte de referência. No entanto, insisto que é mais aconselhável ler antes estas seções, pois acredito que vão simplificar profundamente seu entendimento.

—–
+ Veja também:


About these ads